Restaurantes comunitários do DF mudam distribuição durante pandemia   Agenda Capital
Restaurantes comunitários do DF mudam distribuição durante pandemia Agenda Capital
Restaurantes comunitários do DF mudam distribuição durante pandemia Agenda Capital

26507602830 7904ceb43b k
26507602830 7904ceb43b k

Novos horários e fim do limite de marmitas por pessoa estão entre as medidas adotadas

Por Redação*

O cardápio dos restaurantes comunitários está adaptado à época mais fria do ano, e o número de marmitas por pessoa deixou de ser limitado a duas refeições. A medida foi adotada para diminuir a quantidade de pessoas na fila,  garantindo alimentação de qualidade e, principalmente, a segurança nutricional da população. Depois de dois meses da crise causada pelo novo coronavírus, a procura nos restaurantes por quentinhas segue seu ritmo. 

O Restaurante Comunitário do Recanto das Emas é o terceiro maior em número de usuários: costumava servir mais de 3 mil refeições diárias. No início da pandemia, esse número caiu, mas após a adaptação da população, a demanda voltou a crescer, explica a diretora de Equipamentos de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Dolores Ferreira: “Notamos que a população estava receosa em buscar marmitas. Devido a esse medo, fizemos um trabalho informando sobre a segurança no preparo dos alimentos”. 

Funcionários orientam

As refeições começaram a ser servidas pontualmente às 11h. Do lado de fora, já é possível perceber a agitação das pessoas, seguindo todas as recomendações de distanciamento social, aferição de temperatura e aplicação de álcool gel. Os funcionários do restaurante organizam o fluxo e orientam sobre a retirada das marmitas, já que muitas pessoas estão buscando refeições para vizinhos, familiares e aqueles que se encontram no grupo de risco. 

Com duas caixas de papelão, a designer gráfica Roberta Cristina, 38 anos, se destaca na entrada do restaurante. Ela conta que três vezes por semana, no mínimo, busca as marmitas para 17 familiares. “Quando tinha a limitação de marmitas, eu não conseguia levar para todos. Uma parte, comia aqui, e depois levávamos para os que faltavam”, relata. 

A designer elogia o sabor da comida, o atendimento e a atenção dos funcionários. “É bom demais. Somos bem-recepcionados e com um precinho melhor ainda”, afirma. A gerente do Restaurante Comunitário do Recanto das Emas, Bruna Novaes, ressalta que a relação construída nesse ambiente é praticamente familiar. “Percebo uma união dos usuários e funcionários”, diz. “Estamos sentindo muita falta do contato. Hoje, lamentamos muito ver as mesas vazias e não poder estar perto”.

imagem03-07-2020-09-07-01
imagem03-07-2020-09-07-01
Foto: Ag. Brasília

Menu

Todo mês, a Sedes define o cardápio para os 14 restaurantes, quando possível adaptando as refeições às festividades e à estação do ano. Nos meses de junho e julho, o alimento escolhido para destaque é o milho, que pode ser degustado de diferentes maneiras, como acompanhamento e sobremesas. A nutricionista responsável do Restaurante Comunitário do Recanto das Emas, Luciene Rocha, conta que, nesse período, a escolha foi por comidas mais quentes e com mais caldo. “Esses alimentos dão uma sensação de aquecimento, o que é bom para o inverno”, explica.  

Cidadania

Esses espaços oferecem mais que apenas refeições balanceadas: levam socialização, companhia, entretenimento e informação, principalmente aos idosos e pessoas em situação de vulnerabilidade. “Costumo falar que aqui somos psicólogos também. Às vezes as pessoas só querem um pouco de atenção e carinho”, diz Dolores Ferreira. Os restaurantes comunitários também desenvolvem atividades culturais e palestras educativas. 

Sob condições vulneráveis, as pessoas em situação de rua têm isenção no pagamento das refeições. A subsecretária de Assistência Social da Sedes, Karla Lisboa, esclarece que equipes abordam essa população, cadastram e esclarecem sobre seus direitos. “Orientam como ter acesso à alimentação”, conta. “Há uma lista disponível atualizada para liberação das refeições dos cadastrados”. Segundo ela, são quase 3 mil pessoas em situação de rua que recebem diariamente as marmitas.

Confira, abaixo, os endereços dos restaurantes comunitários do DF

Brazlândia – Quadra 36, Área Especial nº 01, Vila São José

Ceilândia – QNM 01, Bloco 01, Lote 01, Ceilândia Centro

Estrutural – Quadra 14, Área Especial, Vila Estrutural

Gama Setor Central – Área Especial, Complexo Esportivo do Gama, Estádio Bezerrão

Itapoã – Quadra 61, Área Especial, conjuntos D/E, Condomínio Del Lago

Paranoá – Quadra 02, Lote A, Feira Livre, Área Especial

Planaltina – Setor Recreativo e Cultural, Módulo Esportivo, Via WL 1-a/NS

Recando das Emas – Quadra 01, Lote 01, Centro Urbano

Riacho Fundo II – Quadra 10, Conjunto 01, Lote 01

Samambaia – ADE/S, Conjunto 15, lotes 01/02, às margens da BR-060

Santa Maria – Av. Alagados, Área Central, junto ao prédio da Administração Regional

São Sebastião – Centro de Múltiplas Atividades, Lote 02, próximo à Administração Regional

Sobradinho – AR 13, Área Especial 08, Quadra 03, Setor Administrativo

Sol Nascente – QNR 01, Área Especial nº 02, Ceilândia Norte

*Com informações da Ag. Bsa

Relacionado

Comentários

Atenção! Os comentários do Jornal Fogo Cruzado DF são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios podem ser denunciados por outros usuários, acarretando até mesmo a perda da conta do Facebook.

imagem03-07-2020-09-07-02
imagem03-07-2020-09-07-02

Fonte: fogocruzadodf.com.br/destaques/restaurantes-comunitarios-do-df-mudam-distribuicao-durante-pandemia-agenda-capital

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here