Governo oficializa demissão de Weintraub do Ministério da Educação
Governo oficializa demissão de Weintraub do Ministério da Educação
Governo oficializa demissão de Weintraub do Ministério da Educação
Governo oficializa demissão de Weintraub do Ministério da Educação
Governo oficializa demissão de Weintraub do Ministério da Educação
Governo oficializa demissão de Weintraub do Ministério da Educação

O governo de Jair Bolsonaro oficializou neste sábado (20.jun.2020) a demissão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub. Ele já está nos Estados Unidos, onde deve ocupar a diretoria do Banco Mundial.

Eis a íntegra da exoneração, publicada em edição extra do Diário Oficial (56KB). O ato diz que a dispensa foi feita “a pedido”.

Receba a newsletter do Poder360todos os dias no seu e-mail

Weintraub havia anunciado a saída da pasta ainda na 5ª feira (18.jun). Divulgou 1 vídeo nas redes sociais ao lado do presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo.

“Sim, dessa vez é verdade. Eu estou saindo do MEC e eu vou começar a transição agora. Nos próximos dias eu passo o bastão ao ministro que vai ficar no meu lugar, interino ou definitivo. Neste momento eu não quero discutir os motivos da minha saída. Não cabe”, afirmou.

Assista (3min27s):

O economista estava no centro de atritos entre o Poder Executivo com o Legislativo e o Judiciário. O ex-chefe da Educação afirmou em reunião interministerial gravada em 22 de abril que, por ele, “colocava esses vagabundos na cadeia, a começar pelo STF” (Supremo Tribunal Federal).

Ele fazia uma crítica a Brasília, de forma geral. No comentário, mencionou especificamente o STF. O vídeo foi divulgado por decisão do ministro Celso de Mello. Isso porque, na gravação, haveria a prova de que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal, conforme acusação do ex-ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública).

O Senado aprovou convocação do ministro para esclarecer suas declarações na reunião. Ele também prestou depoimento à Polícia Federal no dia 29 de maio. Ficou em silêncio.

No último domingo (14.jun), Weintraub compareceu a 1 ato de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios e reafirmou sua declaração sobre “vagabundos”. Disse que já havia expressado sua “opinião”. Bolsonaro disse que o ministro “não foi prudente”, em entrevista à BandNews na 2ª feira (15.jun).

Banco Mundial e EUA

Arthur Weintraub, irmão de Abraham Weintraub, disse em sua conta no Twitter neste sábado (20.jun.2020), que o ex-ministro da Educação já está nos Estados Unidos. Ele foi indicado para a direção do Banco Mundial, com sede em Washington, D.C..

A entrada de brasileiros no país está restrita por decisão do presidente norte-americano, Donald Trump. A decisão foi anunciada em 24 de maio, logo depois de o Brasil se tornar o 2º país com mais casos da covid-19 no mundo.

Trump foi quem assinou o decreto determinando a medida. A secretária de imprensa do governo, Kayleigh McEnany, disse que a ação “irá garantir que estrangeiros que estiveram no Brasil não se tornem uma fonte adicional de infecções no país”.

Weintraub teria usado seu passaporte diplomático de ministro para conseguir acessar os EUA, o que explicaria a demora para que sua exoneração fosse oficializada. Além disso, no vídeo de despedida, o então ministro afirmou que trabalharia em 1 período de transição dentro da pasta.

O ex-ministro é alvo de inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal que investiga a propagação de notícias falsas e ataques contra a Corte. O economista deixou o cargo na 5ª feira (18.jun). Vai receber 1 salário de R$ 116 mil (US$ 21.547) caso assuma cargo no Banco Mundial. O valor representa 1 aumento de quase 400% em relação ao salário de R$ 30.934 que ele recebia como ministro.

Anualmente os vencimentos chegarão a R$ 1,3 milhão (US$ 258.570). Por ser funcionário internacional, Weintraub não será cobrado pela Receita dos Estados Unidos e o valor será livre de imposto.

Para ser nomeado, as 8 nações do bloco deverão avalizar a indicação do presidente Jair Bolsonaro, protocolada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Fazem parte do grupo: Colômbia, Equador, Trinidad e Tobago, Filipinas, Suriname, Haiti, República Dominicana e Panamá.

O plenário do STF negou na 4ª feira (17.jun) pedido de habeas corpus para retirada do ministro do rol de alvos das investigações.

Weintraub foi incluído no inquérito porque, na reunião do dia 22 de abril, chamou os ministros do STF de “vagabundos” e sugeriu colocá-los na cadeia.

Por ter sido mantido na investigação, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) pediu nesta 6ª feira (19.jun.2020) ao ministro do STF Alexandre de Moraes a apreensão do passaporte do ex-ministro da Educação.

Continuar lendo

Conteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/destaques/governo-oficializa-demissao-de-weintraub-do-ministerio-da-educacao-poder360-correio-df

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here