Ramos diz que exército não vai dar golpe, mas alerta: “Não estica a corda”
Ramos diz que exército não vai dar golpe, mas alerta: “Não estica a corda”
Ramos diz que exército não vai dar golpe, mas alerta: “Não estica a corda”
Ramos diz que exército não vai dar golpe, mas alerta: “Não estica a corda”
Ramos diz que exército não vai dar golpe, mas alerta: “Não estica a corda”
Ramos diz que exército não vai dar golpe, mas alerta: “Não estica a corda”

Em entrevista à revista Veja, o ministro general Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) classificou como “ultrajante” a ideia de que o Exército teria a intenção de dar 1 golpe. Mas, depois, emendou: “Não estica a corda”.

“É ultrajante e ofensivo dizer que as Forças Armadas, em particular o Exército, vão dar golpe, que as Forças Armadas vão quebrar o regime democrático. O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda”, afirmou o general. A entrevista foi publicada na manhã desta 6ª feira (12.jun.2020) no site da revista e na edição impressa.

Questionado a respeito da declaração, Ramos referiu-se a acusações de fascismo ao governo: “Comparar o presidente a Hitler é passar do ponto, e muito. Não contribui com nada para serenar os ânimos”.

Receba a newsletter do Poder360todos os dias no seu e-mail

Na entrevista, Ramos classificou os protestos contra o governo como legítimos e frisou que existem também manifestações a favor. Criticou os ataques que são feitos ao presidente e afirmou que fica irritado quando lhe perguntam sobre a possibilidade de golpe militar no Brasil.

Eis o que o ministro palaciano falou sobre outros temas:

  • julgamento da chapa de Bolsonaro no TSE – “não é plausível achar que 1 julgamento casuístico pode tirar 1 presidente que foi eleito com 57 milhões de votos […] Se o Congresso, que historicamente já fez 2 impeachments, da Dilma e do Collor, não cogita essa possibilidade, é o TSE que vai julgar a chapa irregular? Não é uma hipótese plausível”;
  • posição de militar na ativa – “Devo pedir para ir para a reserva. Estou tomando essa decisão porque acredito que o governo deu certo e vai dar certo. O meu coração e o sentimento querem que eu esteja aqui com o presidente”;
  • negociação de cargos com o Centrão – “A divisão dos espaços democráticos é justa, republicana e transparente. Todo cargo do governo federal serve para implantar políticas públicas. Por isso, precisamos preenchê-los com pessoas que estejam alinhadas com o governo, que tenham projetos convergentes. […] O problema não é o político ocupar cargo público. O problema é o político ocupar cargo público para saquear como acontecia antes. Isso acabou”;
  • OMS – “É inegável que a OMS foi usada politicamente”;
  • convulsão social – “Havia o risco de uma convulsão social com o desespero das pessoas de não ter o que comer. Mas o governo mitigou isso com a liberação do auxílio emergencial”.

Continuar lendo

Conteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/destaques/ramos-diz-que-exercito-nao-vai-dar-golpe-mas-alerta-nao-estica-a-corda-poder360-correio-df

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here