ANÚNCIO

Um pastor abriu uma reflexão sobre o papel dos cristãos nos Estados Unidos diante da opressão sofrida pelos negros no país, e publicou um artigo questionando: “É minha culpa?”.

ANÚNCIO

Bob Myers, pastor da megaigreja Covenant Church, na Pensilvânia (EUA), afirmou categoricamente que “a situação em que nos encontramos é minha culpa e é uma questão do Evangelho, com a credibilidade do Evangelho em jogo”.

Mencionando a situação caótica que os Estados Unidos estão mergulhados desde o assassinato de George Floyd, o pastor citou que a maioria das pessoas brancas no país têm situação econômica mais favorável que as pessoas negras.

“Eu me vi no vídeo [na forma como o policial tratou Floyd] e parecia assistir a uma atrocidade terrorista. […] O linchamento continua nos Estados Unidos. Desta vez, o assassinato não está nas mãos de vigilantes auto-nomeados. Um policial com formação profissional o matou sem lei, enquanto três outros não o mataram, apenas a lei, mas romperam com sua humanidade ao considerar passivamente um assassinato que eles poderiam ter evitado”, comentou o pastor.

ANÚNCIO

Bob Myers admite que ele ignorava algumas preocupações raciais, dizendo: “Às vezes, eu fui deliberadamente ignorante. Depois fiquei em silêncio. Mas agora não vou mais ficar em silêncio. Eu me arrependo e estou no processo de remover camadas de ignorância, apatia e silêncio”.

ANÚNCIO

“Indo mais [a fundo] na história, se a obediência tivesse caracterizado as igrejas e pastores evangélicos brancos, eles nunca teriam forçado a existência de uma igreja separada para outras raças. A verdade inegável é a seguinte: a igreja negra existe apenas porque a igreja branca não aceita membros negros”, opinou.

Em seguida, o pastor afirma que não pode “mudar a história […] mas posso dizer ‘não mais!’”. Diante da atual situação, acrescentou ele, “posso procurar um futuro em que meu arrependimento pessoal seja tão perceptível quanto meus fracassos pessoais”.

“Talvez precisemos de uma manifestação por pecadores arrependidos como eu, simplesmente dizendo: ‘Desculpe, Senhor, desculpe por prejudicar nossa nação por nossa silenciosa cumplicidade, desculpe nossos irmãos negros por nossa falta de coragem, clareza e compaixão. Lamentamos os racistas brancos por não os amarem o suficiente para pregar a lei e o Evangelho a eles com ousadia. Talvez esta seja a próxima marcha em Washington, uma marcha em que lideramos com arrependimento. Onde nos recusamos a passar a bola para os outros ou encolher os ombros”, escreveu o líder evangélico.

ANÚNCIO

O pastor observou que parte do contexto do Evangelho é unir todas as nações e povos como parte de uma família em Cristo: “De fato, qualquer privilégio ou separação dessas raças foi público e rapidamente confrontado como uma afronta ao Evangelho“, recapitulou ele.

ANÚNCIO

“Não tenho sido tão feroz em defender essa primogenitura como o apóstolo Paulo fez em Gálatas 2 quando confrontou Pedro. Imagine se Paulo não tivesse recuado e o favoritismo racial de Pedro tivesse sido permitido afundar no tecido da existência da igreja. Isso teria distorcido a igreja desde o início. Mas o registro de Atos mostra uma batida constante de insistência na integração racial”, acrescentou. “A narrativa da Bíblia é clara. Quero fazer parte de escrever uma nova narrativa. Começa com meu arrependimento”, concluiu.

Fonte: noticias.gospelmais.com.br/pastor-evangelicos-culpa-morte-george-floyd-135832.html

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here