Observatório Judaico pede demissão de Weintraub do MEC
Observatório Judaico pede demissão de Weintraub do MEC
Observatório Judaico pede demissão de Weintraub do MEC

O Observatório Judaico Henry Sobel de Direitos Humanos defendeu a demissão imediata do ministro da Educação, Abraham Weintraub. De acordo com a entidade, Weintraub não demonstrou competência à frente do cargo, destacou-se apenas por “declarações deliberantes e bombásticas” ao longo de mais de um ano de “desastrosa gestão” e “banalizou o mal nazista”.

A entidade repudiou a referência feita pelo ministro à “Noite dos cristais”, episódio violento de perseguição aos judeus ocorrido em 9 de novembro de 1938, ao se referir à ação cumprida pela Polícia Federal no inquérito das fake news na última quarta-feira (27). Como mostrou o Congresso em Foco neste sábado (30), outros representantes da comunidade judaica também condenaram a declaração de Weintraub.

> Judeus se revoltam com comparações ao nazismo feitas por bolsonaristas: “Basta”

Leia mais

Fake news: OAB quer liminar no STF para dar acesso a advogados ao…

29 maio, 2020

TSE quer ouvir Bolsonaro para decidir sobre cassação de chapa por fake…

29 maio, 2020

“O mesmo Weintraub proferiu grave banalização do genocídio de judeus durante a Segunda Guerra ao equiparar a famigerada Noite dos Cristais a uma operação da Polícia Federal no curso da investigação dos implicados nos crimes de injúria, difamação, calúnia e intimidação através de redes sociais (as chamadas fake news).

O Observatório Judaico também criticou a postura do ministro de se calar diante da Polícia Federal ao prestar depoimento sobre sua declaração de que os ministros do STF deveriam ser presos, conforme mostrou a gravação da reunião ministerial de 22 de abril.

“Ofendeu a muitos. Agora, acuado, destaca-se pelo silêncio enquanto sua pasta está à deriva diante de desafios importantes, como o futuro do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que afeta milhões de jovens brasileiros”, diz nota da entidade. “Por esses motivos, o Observatório Judaico dos Direitos Humanos no Brasil ‘Henry Sobel’ soma-se às entidades e setores sociais que exigem: fora Weintraub!”

O ministro escreveu no Twitter esta semana, em resposta a críticas feitas por representantes da comunidade judaica, que tem direito de falar no assunto por ser neto de sobreviventes do holocausto.

Veja a íntegra da nota do Observatório Henry Sobel: “Basta de Weintraub e da banalização do nazismo!

Observatório Judaico “Henry Sobel” soma-se às entidades e setores sociais que demandam a demissão do ministro da educação

 

No ato mais recente de sua desastrosa gestão à frente de um dos ministérios mais importantes, o da Educação, o titular da pasta, Abraham Weintraub, até então dos mais falantes, preferiu ficar calado, na sexta-feira, dia 29. Ele prestava à Polícia Federal os esclarecimentos a que está obrigado, por respeito à democracia, por haver, dias antes, afirmado em reunião ministerial: “Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando pelo STF”.

Quando o ministro Alexandre de Moraes, do STF, exigiu seu depoimento, esclareceu que a “manifestação do ministro da Educação revela-se gravíssima, pois, não só atinge a honorabilidade e constituiu ameaça ilegal à segurança dos ministros do Supremo Tribunal Federal, como também reveste-se de claro intuito de lesar a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado de Direito”.

O mesmo Weintraub proferiu grave banalização do genocídio de judeus durante a Segunda Guerra ao equiparar a famigerada Noite dos Cristais a uma operação da Polícia Federal no curso da investigação dos implicados nos crimes de injúria, difamação, calúnia e intimidação através de redes sociais (as chamadas fake news).

A absurda comparação com a noite de 9 de novembro de 1938, com saldo de mais de 200 sinagogas incendiadas, cerca de 100 judeus mortos e 30 mil conduzidos a campos de concentração, mereceu o repúdio da Embaixada de Israel no Brasil, do cônsul de Israel em São Paulo, da Confederação Israelita Brasileira (Conib) e do Instituto Brasil-Israel, entre outras entidades.

Weintraub negou-se a uma retratação, dizendo que todas estas entidades, não falam por ele. Em seu delírio, isso lhe daria o direito de seguir banalizando o mal nazista e ofendendo as vítimas e seus descendentes.

E tudo isso em pleno pico da pandemia de coronavírus, com o Brasil escalando o ponto alto do triste ranking do número de mortos, conduzido por um governo que, claramente, faz pouco do perigo da doença e das suas consequências, como faz pouco da democracia.

Um pouco mais de um ano de gestão, Abraham Weintraub destacou-se muito mais por declarações delirantes e bombásticas. Ofendeu a muitos. Agora, acuado , destaca-se pelo silêncio enquanto sua pasta está à deriva diante de desafios importantes, como o futuro do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que afeta milhões de jovens brasileiros.

Por esses motivos, o Observatório Judaico dos Direitos Humanos no Brasil “Henry Sobel” soma-se às entidades e setores sociais que exigem: fora Weintraub!”

> Acesse de graça por 30 dias o melhor conteúdo jornalístico premium do país

imagem31 05 2020 07 05 15
imagem31 05 2020 07 05 15

Continuar lendoConteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/noticias/politica/observatorio-judaico-pede-demissao-de-weintraub-do-mec-congresso-em-foco

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here