ANÚNCIO

Uma iniciativa organizada por um braço de uma entidade ateísta está tentando intimidar um capelão do Exército dos Estados Unidos por ele ter recomendado a leitura do livro Coronavírus e Cristo, do pastor John Piper.

ANÚNCIO

Ao todo, 22 capelães militares pediram que o coronel sênio Moon H. Kim, capelão de comando da guarnição do Exército Garrison Humphreys na Coréia do Sul – a maior instalação militar dos EUA fora dos Estados Unidos – seja disciplinado por ter enviado um e-mail a 35 colegas com uma cópia do livro recém-lançado e distribuído gratuitamente.

De acordo com informações do portal The Christian Post, o secretário de Defesa Mark Esper está sendo pressionado pela Military Religious Freedom Foundation (Fundação Militar Livre da Religião, em tradução livre) para que Kim seja punido por enviar o conteúdo “não solicitado” aos demais capelães.

A MRFF entende que a separação entre Estado e Igreja inclui as forças armadas. A organização representa 22 capelães que são membros de igrejas progressistas e que se opõem à interpretação conservadora que John Piper faz das Escrituras.

ANÚNCIO

Dentre os capelães representados pela MRFF, alguns são homossexuais e “não se inscrevem na teologia cristã ultraconservadora / reformada / evangélica de John Piper”, diz a organização.

ANÚNCIO

Para os queixosos, a afirmação de John Piper no livro que “algumas pessoas serão infectadas com o coronavírus como um julgamento específico de Deus por causa de suas atitudes e ações pecaminosas” é uma ofensa.

No capítulo 7 de Coronavírus e Cristo, Piper fala de “exemplos de julgamentos específicos sobre pecados específicos”, e afirma que um deles “é o pecado da relação homossexual”, citando Romanos 1:27, em que o apóstolo Paulo afirma que “os homens que cometem atos desavergonhados com os homens” receberam em si mesmos “a devida penalidade por seu erro”.

“Essa ‘punição devida’ é o efeito doloroso ‘em si’ de seus pecados”, asseverou Piper no livro Coronavírus e Cristo. “Essa ‘penalidade devida’ é apenas um exemplo do julgamento de Deus que vemos em Romanos 1:18, onde diz: ‘A ira de Deus é revelada do céu contra toda a impiedade e injustiça dos homens, que por sua injustiça suprimem a verdade’. Portanto, embora nem todo sofrimento seja um julgamento específico para pecados específicos, alguns o são”.

ANÚNCIO

No corpo do e-mail que gerou a polêmica, Kim escreveu aos colegas capelães que queria compartilhar o pequeno livreto com eles: “Este livro me ajudou a reorientar meu chamado sagrado para que meu salvador Jesus Cristo se mantivesse forte […] Espero que este pequeno livreto ajude você e seus soldados, suas famílias e outras pessoas a quem você serve”.

ANÚNCIO

Para a organização ateísta MRFF, no entanto, o e-mail “foi claramente entendido como um endosso e uma validação completos do que o livro defende e proclama”.

O fundador da MRFF, Mikey Weinstein, critica o livro dizendo que seu conteúdo “impõe a crença de que o coronavírus é o julgamento de Deus”.

“O mundo inteiro está sendo devastado pelo COVID-19 e ele endossou um livreto alegando que este é o castigo de Deus para as pessoas que pecaram, o que inclui gays”, disse Weinstein. “Isso não só viola as disposições […] do Departamento de Defesa, mas muitas outras disposições do Departamento de Defesa e do Exército dos EUA”.

Mike Berry, consultor geral do First Liberty Institute – uma organização que defende a extensão dos direitos da Primeira Emenda da Constituição dos EUA para militares – disse que Kim tinha o direito de enviar o email.

ANÚNCIO

“O MRFF não está apenas exagerando, está mostrando suas verdadeiras cores ao pedir ao Pentágono que castigue um capelão por se envolver em atividades constitucionalmente protegidas. O Congresso recentemente e repetidamente tomou medidas para proteger os capelães e compartilhar suas crenças religiosas”, avaliou.

ANÚNCIO

“A Constituição e a lei federal protegem capelães (e membros do serviço) que compartilham suas crenças religiosas”, acrescentou. “Nossos bravos membros do serviço devem se ofender porque Mikey Weinstein se considera tão delicado e frágil que é incapaz de ouvir algo com o qual possa discordar. Muito pelo contrário, a grande maioria dos membros dos serviços com quem eu servi, sejam eles seniores ou subordinados, eram espertos o suficiente para decidir por si mesmos”, acrescentou.

Berry disse que o First Liberty Institute ficaria feliz em fornecer a Kim uma representação legal gratuita se ele estiver sujeito a ações disciplinares. “[Vencemos] vários casos semelhantes a este no passado, e estou muito confiante de que venceríamos este também”, concluiu.

Fonte: noticias.gospelmais.com.br/ateus-capelao-livro-john-piper-coronavirus-134610.html

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here