Caiado endurece isolamento após universidade projetar 18 mil mortes em Goiás
Caiado endurece isolamento após universidade projetar 18 mil mortes em Goiás
Caiado endurece isolamento após universidade projetar 18 mil mortes em Goiás

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), decidiu endurecer o isolamento social após a divulgação de um estudo da Universidade Federal de Goiás (UFG) que projeta 18 mil mortes por covid-19 no estado até setembro. Por meio de decreto, o estado pretende restringir o funcionamento do comércio e da administração pública estadual temporariamente. Apenas as atividades essenciais deverão ser mantidas. O comércio deverá fechar por 14 dias, mas poderá reabrir nos 14 dias seguintes. O rodízio funcionará até que os casos se estabilizem.

> As últimas notícias sobre a covid-19

Os municípios, como reconheceu o Supremo Tribunal Federal (STF), têm autonomia para aderir ou não ao modelo. Aliado de Caiado, o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), disse que a capital seguirá as orientações do governador.

Leia mais

Otimismo do comércio tem maior queda dos últimos nove anos, diz CNC

26 jun, 2020

PIB terá no 2º trimestre a maior queda em 40 anos, avalia FGV

26 jun, 2020

Goiás registra hoje 435 mortes e 22 mil casos confirmados de covid-19. “A partir de amanhã (30) implantaremos a quarentena no estado de Goiás. Peço a compreensão de todos, serão 14 dias. Peço a todos os goianos que atendam nossas solicitações. Não há espaço para oportunismo ou atitudes egoístas. Respeitem as regras”, afirmou.

O governador disse que, ao poupar vidas, o estado terá mais condições de superar a crise econômica decorrente da pandemia. “Nós teremos a quarentena por 14 dias e que funcionou muito bem no decreto de 12 de março. O que queremos neste momento é chegar a um patamar de isolamento de 55% e conseguiremos dar um achatamento na curva”, afirmou.

A decisão foi anunciada por Caiado após a apresentação de um estudo técnico da Universidade Federal de Goiás, divulgado em videoconferência nesta segunda-feira, que apontou que, se nada for feito a partir de agora, o Estado deve chegar a setembro com 18 mil mortes ocasionadas pela covid-19.

“Isso é imoral, desumano, eu não posso aceitar que haja omissão de autoridades. A responsabilidade é de todos nós. Cada prefeito e cada prefeita vai responder pelo caos nos seus municípios. Reflitam bem, analisam bem. Fornecerei as minhas polícias a todos os prefeitos que quiserem que haja cumprimento 14 por 14”, disse o governador.

Goiás foi um dos primeiros estados a fechar o comércio no início da pandemia. Mas as regras foram relaxadas e o número de casos e mortes cresceu nos últimos dois meses. Médico, Caiado entrou em confronto com o presidente Jair Bolsonaro, de quem era aliado, com a demissão do ministro Luiz Henrique Mandetta, a quem indicou para o cargo. Nos últimos dois meses, no entanto, os dois se reaproximaram.

> Veja o estudo da UFG

imagem29 06 2020 20 06 14
imagem29 06 2020 20 06 14

Continuar lendoConteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/noticias/politica/caiado-endurece-isolamento-apos-universidade-projetar-18-mil-mortes-em-goias-congresso-em-foco

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here