Covas diz que Bolsonaro ignora pandemia, mas elogia Ministério da Saúde
Covas diz que Bolsonaro ignora pandemia, mas elogia Ministério da Saúde
Covas diz que Bolsonaro ignora pandemia, mas elogia Ministério da Saúde
Covas diz que Bolsonaro ignora pandemia, mas elogia Ministério da Saúde
Covas diz que Bolsonaro ignora pandemia, mas elogia Ministério da Saúde
Covas diz que Bolsonaro ignora pandemia, mas elogia Ministério da Saúde

À frente da cidade com mais casos de coronavírus no país e onde a covid-19 foi detectada pela 1ª vez em solo brasileiro, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), diz que o presidente da República, Jair Bolsonaro, ignora a pandemia. O tucano, porém, elogia o Ministério da Saúde.

“Não é de agora que o presidente vem ignorando a existência do vírus”, afirma Covas. Sobre a relação da Prefeitura com o Ministério da Saúde, diz: “Mesmo com a troca de ministros eu não posso me queixar”.

Receba a newsletter do Poder360todos os dias no seu e-mail

O general Eduardo Pazuello comanda a pasta interinamente. Antes dele, Nelson Teich ficou no cargo por 29 dias. Até o meio de abril, quem tocava a Saúde era Luiz Henrique Mandetta. As trocas todas se deram com a covid-19 já presente no país.

O prefeito conta que o município recebeu da pasta R$ 500 milhões a mais em 2020 do que no ano passado por causa da pandemia.

Bruno Covas deu entrevista ao Poder360 por videoconferência. A conversa foi gravada nesta 2ª feira (8.jun.2020). Assista à íntegra (24min48seg):

Ele minimizou os protestos realizados tanto por bolsonaristas quanto por oposicionistas no domingo (7.jun.2020):

“Eu acho que as pessoas têm todo o direito de se manifestar. Embora eu ache que a preocupação central nesse momento da população seja a pandemia. Tanto que aqui teve uma grande disputa –quem iria fazer manifestação na [Avenida] Paulista, que grupo ia ocupar a Paulista; conseguiu-se finalmente que 1 grupo ficasse na Paulista e outro no Largo da Batata… Somando os 2 grupos, não dava nem 5.000 pessoas”.

Há alguns meses pequenos protestos pró-Bolsonaro têm sido rotina no país, atos que o presidente estimula. Entre os motivos dos opositores para se manifestarem está dar uma resposta a essa mobilização dos apoiadores do inquilino do Palácio da Alvorada.

Existe a preocupação que os protestos facilitem a proliferação do coronavírus.

“É uma pena que o presidente ainda incite a população a ir para rua e estimule o desrespeito à quarentena. É lamentável que ele faça esse tipo de gesto. A gente esperaria que ele fizesse exatamente o oposto”, afirma Bruno Covas.

“As pessoas têm todo o direito de fazer sua manifestação. Que bom que a gente tenha gente preocupada com a manutenção da democracia. Mas acho que o momento agora é de evitar ao máximo circulação desnecessária”, declara.

A cidade que o tucano governa está em fase de abertura de acordo com protocolo elaborado pelo Governo do Estado. A medida foi criticada, mas o prefeito diz que o movimento é seguro.

Caso seja observado aumento na dispersão do vírus, Covas afirma que o endurecimento das medidas restritivas será feito rapidamente. “A cada duas semanas o governo do Estado vai fazendo uma nova reclassificação. Sempre na 2ª feira seguinte ela passa a valer”, diz.

O político paulista afirma que ainda é impossível saber até quando as medidas de isolamento poderão ser necessárias. “Também depende da população entender que, apesar de a gente falar em reabertura, a quarentena persiste”, declara.

Eleições 2020

O prefeito da capital paulista deve concorrer à reeleição nas eleições de 2020. Ele assumiu a prefeitura em 2018, quando João Doria (PSDB) deixou o posto para disputar o Governo do Estado. Covas era o vice.

Eleições, porém, provocam aglomerações, contraindicadas em momentos de pandemia. A elite política do país discute 1 adiamento da votação.

A data estipulada antes de o coronavírus se alastrar era 4 de outubro. O adiamento discutido pode levar o pleito até para dezembro, nos últimos dias em que pode ser realizado sem prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores.

Covas evita falar sobre o adiamento. “Eu sou pré-candidato para qualquer data que seja marcada a eleição”, declara. Diz que, caso emita opiniões sobre datas, o gesto pode ser uma tentativa de influenciar a decisão de forma a lhe beneficiar. “A data que o Congresso definir eu estarei disputando na urna.”

O prefeito de São Paulo também afirma estar se recuperando bem do câncer que trata. “A imunoterapia já está surtindo efeito sobre esse 3º tumor. Ele já regrediu ao que estava no início do ano, antes de começar a imunoterapia”, declara.

Em outubro de 2019 ele foi diagnosticado com 1 adenocarcinoma –tumor maligno–, localizado entre o esôfago e o estômago, e 1 nódulo hepático. Também havia uma metástase única no fígado.

Continuar lendo

Conteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/destaques/covas-diz-que-bolsonaro-ignora-pandemia-mas-elogia-ministerio-da-saude-poder360-correio-df

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here