PF cobra do GSI provas de insatisfação de Bolsonaro com segurança familiar
PF cobra do GSI provas de insatisfação de Bolsonaro com segurança familiar
PF cobra do GSI provas de insatisfação de Bolsonaro com segurança familiar

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) é alvo de um despacho da Polícia Federal, para que apresente as provas de que o presidente Jair Bolsonaro estava insatisfeito com a segurança de seus familiares no Rio de Janeiro. Essa foi a explicação de Bolsonaro que justificaria a frase “troca na segurança do Rio”, que ele disse na reunião ministerial do dia 22 de abril. O GSI é chefiado pelo General Augusto Heleno.

Segundo matéria do Estadão, a PF quer eventuais provas de troca de comando ou insatisfações do presidente e seus familiares com o Escritório Regional do GSI do Rio de Janeiro, entre 2019 e 2020.

“Mas é a putaria o tempo todo pra me atingir, mexendo com a minha família. Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu (sic), porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira”, disse Bolsonaro na reunião do dia 22 de abril.

Leia mais

MP que cria funções de confiança na PF é aprovada no Senado e vai à…

25 maio, 2020

Portaria para armar a população dispensou pareceres técnicos, apontam…

25 maio, 2020

Segundo Sergio Moro, nesse momento o presidente estava se referindo à superintendência da PF carioca. Bolsonaro afirma que estava falando da segurança familiar. Porém, no vídeo da reunião, é possível perceber que o chefe do Executivo olha na direção de Moro neste momento. Outro ponto sem explicação na versão do presidente, é referente aos “amigos”, pois o GSI e nenhum outro órgão do governo promove ou deveria promover a segurança dos amigos do chefe do Executivo.

Moro renunciou ao cargo de chefe da Justiça depois de Bolsonaro tentar nomear o atual diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, que é amigo da família, para o posto de diretor-geral da PF.

Impedido pela Justiça, Ramagem indicou Rolando de Souza para o cargo, que assim que assumiu, trocou o superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro, conforme Moro vinha denunciando que era a vontade do presidente.

Segundo reportagem do Jornal Nacional, da Rede Globo, o presidente não aparentou descontentamento com sua segurança, pelo contrário, ele promoveu responsáveis por sua segurança pessoal semanas antes da reunião sem enfrentar nenhuma dificuldade.

imagem26 05 2020 07 05 55
imagem26 05 2020 07 05 55

Continuar lendoConteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/noticias/politica/pf-cobra-do-gsi-provas-de-insatisfacao-de-bolsonaro-com-seguranca-familiar-congresso-em-foco

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here