Centrão considera Ministério da Saúde vidraça e não quer indicar nome
Centrão considera Ministério da Saúde vidraça e não quer indicar nome
Centrão considera Ministério da Saúde vidraça e não quer indicar nome

Os partidos que estão em processo de aproximação com o presidente Jair Bolsonaro escolheram ficar distantes dos desdobramentos da demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde.

Tradicionalmente ocupado por indicações políticas em governos anteriores, a avaliação é que articular para assumir o cargo neste momento traz mais prejuízo do que benefício. O presidente Jair Bolsonaro também não tem procurado os representantes partidários para decidir a escolha.

O crescente número de mortes pelo coronavírus e as divergências no uso da cloroquina, defendida por Bolsonaro, e vista com cautela pelos dois últimos ocupantes da pasta, afastam o Centrão, grupo suprapartidário de centro e direita, de querer o posto.

Leia mais

Advogado tenta usar pseudônimo em mesmo laboratório de Bolsonaro e não…

15 maio, 2020

Bloomberg: instituições devem mostrar que Bolsonaro não está acima da…

15 maio, 2020

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Um integrante do PP próximo do presidente nacional da sigla, senador Ciro Nogueira (PI), avalia que essa área do governo é “uma bomba chiando”.

Após o anúncio do pedido demissão de Teich, o comportamento da maioria das legendas que negociam cargos com o governo foi de silêncio.

Parte dos deputados do grupo defende que seja escolhido o atual secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, pois é um nome mais equilibrado que o deputado Osmar Terra (MDB-RS), que almeja o posto e tem contrariado teses científicas consolidadas de combate à crise.

O presidente negocia formar uma base legislativa no Congresso e em troca tem oferecido cargos no segundo escalão. As negociações mais avançadas têm sido no PP, Republicanos, PSD e PL.

No Ministério da Saúde, o PL deseja emplacar uma secretaria, mas vê pouco espaço porque a pasta está repleta de militares.

O PSD conseguiu uma das diretorias da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas deseja ainda o comando da Fundação Nacional da Saúde (Funasa).

Integrantes do Centrão que não tem participado das negociações com o governo e são próximos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se manifestaram sobre a demissão de Teich.

>Políticos reagem à saída de Teich: “Bolsonaro quer um charlatão fanático”

O presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), divulgou uma nota com duras críticas à gestão do governo na saúde.

“Duvido que alguém consiga fazer o presidente aprender com a ciência e perceber que reduzir o isolamento social é colocar mais brasileiros na fila de espera por uma vaga na UTI. O Brasil precisa de liderança, mas vai ser difícil encontrar um ministro que seja capaz de lidar, ao mesmo tempo, com a crise sanitária e com os impulsos de Jair Bolsonaro”, disse.

A mesma linha foi seguida pelo deputado Marcelo Ramos (PL-AM): “diante das imposições do presidente, só topará ser ministro da Saúde quem não tiver compromisso com a ciência e nem com medicina. O pedido de demissão do ministro demonstrou que ele tem”.

>Weintraub irrita Centrão por atrasar indicações, mas grupo acha difícil ministro sair

>Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

imagem16 05 2020 07 05 01
imagem16 05 2020 07 05 01

Continuar lendoConteúdo Bloqueado

Ajude-nos a crescer! Compartilhe esta matéria com seus amigos no Facebook clicando no botão abaixo para desbloquear o conteúdo automaticamente. Compartilhar é grátis!

Clicando no botões você concorda com os termos de uso e política de privacidade

Compartilhe isso:

Curtir isso:

Curtir Carregando…

Fonte: xn--flashdenotcias-9lb.com.br/noticias/politica/centrao-considera-ministerio-da-saude-vidraca-e-nao-quer-indicar-nome-congresso-em-foco

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here