ANÚNCIO

Enquanto os governadores reprimem os serviços religiosos durante a pandemia de coronavírus, os pastores nos Estados Unidos se questionam se o procurador-geral William Barr e o Departamento de Justiça estão fazendo o suficiente para proteger suas liberdades civis.

ANÚNCIO

O cenário nos Estados Unidos é bastante similar ao Brasil no que se refere ao sacrifício da liberdade religiosa em nome da contenção da disseminação do novo coronavírus. Por lá, o procurador-geral emitiu várias declarações sobre a importância de respeitar a liberdade religiosa “mesmo em tempos de emergência” e interveio em casos de repressão do governo a igrejas e pastores.

No entanto, os gestos de William Barr não estão sendo vistos como suficientes, conforme relatos de diferentes líderes cristãos ao Daily Caller News Foundation. Alguns pastores que foram presos por continuarem dirigindo cultos estão dizendo que querem ver mais da atuação do procurador-geral William Barr.

O pastor Tony Spell, da igreja Louisiana Tabernacle Life, provocou uma reação em março, quando surgiram relatos de que ele havia levado fiéis ao templo, desafiando a proibição do governador da Louisiana John Bel Edward de reunir mais de 50 pessoas. Spell também foi criticado na época por chamar a reação ao vírus de “motivação política”.

ANÚNCIO

Desde que o incidente ocorreu, Spell disse à Daily Caller News Foundation que ele foi preso três vezes por realizar cultos: “Estou na minha 25ª citação hoje”, disse ele na quinta-feira, acrescentando que “os animais foram tratados melhor” do que as autoridades o trataram, ao descrever como ele foi forçado a usar uma tornozeleira em sua casa por 13 dias.

ANÚNCIO

“Estou em prisão domiciliar. Quando atravesso o limiar da minha porta, sou um fugitivo da justiça”, acrescentou o pastor.

Spell diz que seus “direitos inalienáveis de pregar e ir à igreja” não estão sendo garantidos a ele pelo procurador-geral ou por qualquer outra pessoa, mas por Deus: “Eles não podem fazer uma declaração em favor de eu voltar à igreja que me incentivará a fazer mais do que nunca parei de fazer”, disse ele.

Mas Spell acrescentou que gostaria de ver William Barr intervindo mais nos casos em que as autoridades estão proibindo cultos: “Tire-me da prisão domiciliar e permita-me pregar livremente sem medo de ser preso novamente”, disse Spell sobre o que diria ao procurador-geral se tivesse a oportunidade de falar com ele.

ANÚNCIO

O pastor acrescentou que acredita que é uma “postura de governo anti-Deus dizer a um homem que ele não pode ir à igreja e pregar”, e acrescentou que governadores e autoridades “ultrapassaram seus limites” ao dizer aos pastores que não podem pregar ou ir à igreja. “Trata-se de um total excedente do governo”, enfatizou.

ANÚNCIO

O pastor de uma megaigreja da Flórida, Rodney Howard-Browne, também foi preso em março por desafiar as ordens de distanciamento do coronavírus e realizar dois cultos em sua congregação, em Tampa Bay. Após isso, ele cancelou os cultos após sua prisão, dizendo que “não tinha escolha” a não ser obedecer, mas que estava “muito desapontado” com o trabalho de William Barr no DOJ por suas ações de relativismo à preservação das liberdades civis durante o coronavírus.

“Eles fizeram [apenas] o mínimo necessário para defender o povo americano e a Constituição”, disse Howard-Browne. “Os sons na televisão são ótimos, mas precisamos de ação. Infelizmente, nosso judiciário foi comprometido até os mais altos níveis!”, queixou-se, referindo-se aos cultos online.

Howard-Browne também disse que não acredita que Barr ou o DOJ tenham o poder de “fazer qualquer coisa” neste momento, acrescentando que ele está começando a pensar que muitas autoridades “nunca leram a Constituição”.

ANÚNCIO

Outros líderes religiosos agradeceram a Barr pelos esforços que o procurador-geral fez para preservar as liberdades religiosas, embora eles também esperem que ele tome medidas mais agressivas: “Estou satisfeito em ver que a AG está falando muito sobre intervir em estados e localidades em que a liberdade religiosa está ameaçada”, disse o padre Edwin C. Dwyer, pároco da Igreja Católica St. Cyril, em Michigan.

ANÚNCIO

“Minha esperança é que a conversa seja suficiente para essas autoridades recuarem, mas, se não, minha esperança é que não seja apenas conversa”, acrescentou. “Eu preferiria muito a autoridade local para restaurar a justiça, mas a justiça deve ser restaurada”.

O pastor da Megachurch, Brian Gibson, anunciou segunda-feira que está abrindo as portas de suas quatro igrejas no Texas e no Kentucky no próximo domingo, 17 de maio, desafiando outras igrejas em todo o país a se juntarem a ele através de um abaixo-assinado online em colaboração com o First Liberty Institute.

“Nossa Constituição garante a liberdade de religião e o direito de se reunir pacificamente”, diz o texto do abaixo-assinado online. “Ao assinar a petição, você compromete-se a exercer esses direitos sagrados no domingo, 17 de maio, para o domingo de reunião pacífica. Sua igreja será aberta e acolherá todas as pessoas saudáveis em suas comunidades para participar e participar fisicamente dos cultos”.

Ele acrescentou que, embora esteja “satisfeito em ouvir” Barr avisar o país que ele está observando violações da liberdade religiosa, ele acredita que o DOJ precisa tomar medidas mais agressivas: “Estamos em uma crise constitucional em desenvolvimento e as violações da liberdade religiosa são generalizadas”, disse Gibson.

Little é conselheiro sênior da Faithful Central Bible Church em Inglewood, Califórnia, e um ativo combatente do aborto. “É absolutamente crítico para o governo, como disse o procurador-geral Barr, ponderar o interesse que o governo tem em fornecer segurança pública e proteger nossos direitos da Primeira Emenda nos EUA e em todos os casos”, ressaltou.

Ele acrescentou que o direito da Primeira Emenda de expressar livremente crenças religiosas é um “direito absoluto” e disse que os pais fundadores da América pretendiam que o governo não se intrometesse na liberdade religiosa: ”Muitas vezes as pessoas pensam que é a igreja que deve ficar fora do governo e que vira todo o ideal de cabeça para baixo. Não é isso que deveríamos estar fazendo”, afirmou.

Prender pastores está indo longe demais, concluiu Little: “Temos que encontrar um equilíbrio entre a segurança pública e o direito da Primeira Emenda de não apenas ter liberdade religiosa, mas também liberdade de reunião”, acrescentou. “Essas coisas são fundamentais em nossos direitos da Primeira Emenda. E acho que, em muitos casos, nossos governos locais estão exagerando sua autoridade”.

Fonte: noticias.gospelmais.com.br/pastores-protestam-prisao-domiciliar-celebrarem-cultos-135071.html

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here