ANÚNCIO

Nem mesmo o surto mortal do novo coronavírus foi capaz de desacelerar a campanha do governo comunista chinês de demolição das cruzes instaladas no topo dos templos. Em meados de março, cruzes foram removidos de várias igrejas nas províncias do leste de Jiangsu e Anhui, sob o argumento de que nenhuma cruz deve ser colocada acima da bandeira do país.

ANÚNCIO

Na província vizinha, Shandong, a cidade de Linyi não é exceção: pelo menos 70 cruzes foram removidas das igrejas desde a primavera passada. No dia 03 de fevereiro desde ano, um representante do governo de Zhuangwu, no condado de Lanling, administrado pela prefeitura de Linyi, contratou trabalhadores para remover a cruz de uma Igreja da Trindade na vila de Hexi. Ele alegou que seria desagradável para seus superiores ver a cruz, e ele poderia ser demitido do cargo por causa disso.

A igreja foi construída em 2007 e implementou os quatro requisitos da campanha de “sinicização” da religião do governo. Também interrompeu todas as reuniões durante a pandemia de coronavírus. Apesar de sua conformidade com as regulamentações estaduais, ainda não foi poupada da repressão.

“O governo não fornece ajuda suficiente durante a epidemia, mas destrói as cruzes”, reclamou um membro da igreja.

ANÚNCIO

Igreja recém-construída e lacrada

ANÚNCIO

Em agosto passado, o governo da cidade de Linfen, na província de Shanxi, no norte do país, ordenou a demolição da cruz e dos letreiros em chinês com os dizeres “Igreja Cristã” de uma igreja local da mesma denominação, Igreja da Trindade.

Um membro da congregação disse à organização Bitter Winter que a igreja nunca havia sido usada desde que sua construção foi concluída em julho de 2018 por causa de um conflito iniciado pelo governo entre a congregação e os moradores da aldeia.

Ao longo de 2019, o diretor da igreja continuou negociando a abertura do templo com o governo, esperando recuperar o direito de usa-lo, mas as autoridades locais continuaram transferindo a responsabilidade de um para o outro, repetindo que “os moradores da vila não permitem que os crentes entrem na igreja”.

ANÚNCIO

“O governo tem autoridade sobre os moradores, e não o contrário: as autoridades estão matando com uma espada emprestada”, disse o fiel, expressando sua indignação com uma referência um dos estratagemas chineses empregados na guerra e na política quando forças de outros são usadas para atacar algum inimigo.

ANÚNCIO

Apesar das várias tentativas de negociação do diretor, o governo continuou exigindo o reaproveitamento da igreja e instou a congregação a remover a cruz, ou seria “destruída com explosivos”. A cruz foi logo removida.

Nenhuma cruz maior que a bandeira

Em dezembro passado, numerosas cruzes foram removidas das congregações da Igreja da Trindade em Hegang, uma cidade na província de Heilongjiang, no nordeste. Um membro de uma igreja no distrito de Dongshan da cidade declarou que uma autoridade local ameaçava fechar o templo se a cruz não fosse removida porque “era mais alta que a bandeira nacional”.

ANÚNCIO

As cruzes da Igreja do Evangelho de Cristo e a Igreja Cristã de Luobei, no condado de Luobei, em Hegang, foram removidas no mesmo mês usando o mesmo pretexto. Um funcionário do governo do condado explicou que as cruzes “eram muito chamativas” e “atrairiam pessoas para as igrejas”.

ANÚNCIO

A Grace Church em Luobei é a única igreja para protestantes de origem coreana no condado. Depois que sua cruz foi removida, o pastor da igreja reagiu dizendo à congregação que, embora tivesse sido fisicamente removida, “a cruz não pode ser tirada de seus corações”.

Em 8 de novembro de 2019, alguns idosos tentaram impedir a remoção da cruz da Igreja Ranfang, no condado de Gushi, na província central de Henan. Oficiais do governo no site disseram a eles que era “o Partido Comunista que lhe dá comida e dinheiro, não Deus”. Em meio à comoção, um crente de 70 anos desmaiou.

Um membro da congregação disse que, antes da demolição, o governo acusou o diretor da igreja por “trabalho ideológico”, e oficiais das aldeias vizinhas foram mobilizados para dissuadir os fiéis. “Como podemos, pessoas comuns, suportar esses oficiais no poder? Tivemos que restringir nossa raiva e ficar em silêncio”, resumiu o fiel.

Fonte: noticias.gospelmais.com.br/china-remove-cruzes-igrejas-nao-ofuscar-bandeira-133870.html

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here